EUA criticam eleição na Venezuela e prometem medidas pró-democracia

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, criticaram a eleição do final de semana na Venezuela e disseram que Washington planeja medidas “econômicas e diplomáticas” rápidas para apoiar a restauração da democracia.

“A eleição da Venezuela foi uma armação – nem livre, nem justa”, disse Pence em um comunicado a respeito da votação de domingo, na qual o presidente socialista Nicolás Maduro foi reeleito em um pleito que seus críticos acusaram de ser uma farsa, informa o MSN.

“Os Estados Unidos não ficarão à toa enquanto a Venezuela desmorona e o sofrimento de seu povo corajoso continua… o regime Maduro deve permitir a entrada de ajuda humanitária na Venezuela e deve permitir que seu povo seja ouvido”.

Em um comunicado separado, Pompeo disse que os EUA “adotarão medidas econômicas e diplomáticas rápidas para apoiar a restauração de sua democracia”, sem dar detalhes.

Mais cedo o Departamento de Estado ameaçou impor sanções ao setor petrolífero, vital para o país.

Vários outros países denunciaram a eleição por considerá-la injusta. Maduro, que sustenta que seu país está sendo atacado por críticos de seu governo de esquerda, a qualificou como uma vitória contra o “imperialismo”.

21/05/2018