Entrega de novos hospitais e UPAs em Alagoas começa em 30 de setembro deste ano

O governador Renan Filho e o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, apresentaram, nesta segunda-feira (19), durante entrevista coletiva, o cronograma de entrega dos cinco hospitais que estão sendo construídos em Alagoas. O cronograma terá início em 30 de setembro com a entrega do Hospital da Mulher, em Maceió, e seguirá até o segundo semestre de 2021 com a inauguração do último Hospital Regional, em Delmiro Gouveia. O Governo do Estado investe mais de R$ 216 milhões nas construções, o que resultará na abertura de 706 novos leitos em Alagoas.

São dois hospitais em Maceió e três no interior do estado, além das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) edificadas na capital e da reforma e ampliação do Hospital Ib Gatto, em Rio Largo. Estima-se que o conjunto de equipamentos vai gerar mais de 10 mil empregos diretos na área da saúde em Alagoas. “Esse é o maior cronograma de entrega de obras públicas da história da saúde alagoana”, afirmou Renan Filho.

“Esses investimentos vão ampliar decisivamente o número de leitos SUS (Sistema Único de Saúde) em Alagoas. Nessa crise econômica que o Brasil vive, ao longo da última década, foi reduzido drasticamente o número de leitos SUS. Aqui em Alagoas a gente faz um esforço gigantesco para ampliar os leitos geridos pelo Estado”, comparou Renan Filho.

O Hospital da Mulher conta com investimentos de R$ 30,7 milhões e quando estiver pronto terá 127 leitos. O prédio de sete andares está localizado ao lado da Maternidade Escola Santa Mônica, no Poço, e está 98,50% concluído. Terá capacidade para realizar, mensalmente, 8.460 atendimentos e consultas especializadas em obstetrícia, ginecologia, neonatologia, infectologia, cardiologia, mastologia, endocrinologia, uroginecologia, reumatologia e dermatologia; 301 cirurgias ginecológicas e neonatais; 630 tratamentos clínicos em ginecologia e neonatologia e 27.694 exames e diagnósticos. O equipamento também contará com ambulatório para atendimento à população LGBT.

“Trata-se de um hospital de referência que vai trazer inovações na área da saúde pública em Alagoas. Hoje, a mulher vítima de violência sexual precisa ir até uma delegacia de polícia para fazer um boletim de ocorrência, depois ao IML e, por fim, a um hospital público para ser atendida e iniciar o tratamento. Com o Hospital da Mulher, faremos todo o atendimento na Rede de Atenção à Vítima de Violência Sexual (RAVS) dentro do próprio hospital”, disse o secretário Alexandre Ayres.

UPAs – Ainda neste segundo semestre serão entregues as duas UPAs de Maceió, no Jacintinho e no Tabuleiro do Martins, que já têm as obras físicas 100% concluídas. A entrega da UPA do Jacintinho está prevista para 11 de outubro e a do Tabuleiro para o dia 25 do mesmo mês. A primeira recebeu investimentos de R$ 5 milhões e a segunda de R$ 5,1 milhões. Com 15 leitos cada uma, as unidades são do tipo 3 e foram as primeiras construídas com recursos próprios do Governo do Estado.

As UPAs têm capacidade para realizar mais de 350 atendimentos diários em urgência e emergência. Ofertam, ainda, exames de raio-x, eletrocardiograma e atendimento pediátrico e odontológico. O Governo pretende lançar, ainda este ano, a construção de uma terceira UPA na capital com recursos próprios, no bairro de Chã da Jaqueira.  Finalizando o cronograma em 2019, serão entregues as obras de reforma e ampliação do Hospital Ib Gatto, em Rio Largo, no dia 14 de novembro.

Metropolitano – A entrevista coletiva foi realizada no Hospital Metropolitano, no Tabuleiro do Martins, que será entregue no primeiro semestre de 2020. Com seis pavimentos, todos já edificados, e 15 alas, o equipamento terá capacidade para realizar 10.300 atendimentos mensais, beneficiando moradores da parte alta de Maceió, da Zona da Mata e das regiões Metropolitana e Norte do estado.

O hospital tem área construída de 13.904,19m² e total de 57.058,87m²; e tem investimentos de cerca de R$ 80 milhões. Será dotado de 180 leitos, distribuídos em UTI pediátrica, adulto e cardíaca; clínica médica, além de um moderno centro cirúrgico. As obras estão com 90% dos serviços concluídos.

“O Hospital Geral do Estado (HGE) vai focar, especificamente, nas emergências e o Hospital Metropolitano vai atuar na parte das cirurgias eletivas. Isso vai melhorar bastante o funcionamento do HGE e a sua resolutividade e vamos dobrar a capacidade de atender pessoas em Alagoas, além de elevar o número de cirurgias eletivas”, garantiu Renan Filho.

Regional do Norte – Com R$ 30,5 milhões em investimentos, o Hospital Regional do Norte, em Porto Calvo, terá 123 leitos e tem 80% dos trabalhos executados. A entrega está prevista para o segundo semestre de 2020. Haverá maternidade, pediatria, cirurgia, clínica médica e serviços de nefrologia, além de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto, Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) neonatal e enfermaria canguru.

Regional da Mata – Em União dos Palmares, o Hospital Regional da Mata tem 57% das obras concluídas e previsão de entrega para o primeiro semestre de 2021. São investidos R$ 32,3 milhões na edificação do equipamento, que atenderá uma população de mais de 224 mil pessoas dos municípios próximos. Serão 123 leitos distribuídos em clínica médica, pediatria, UCI Neonatal, UCI Canguru, UTI Adulto, obstetrícia e Centro de Parto Normal, leito de UTI pediátrica e cirúrgico. A expectativa é realizar 7.763 consultas e 7 mil exames de diagnóstico complementares por mês.

Regional do Alto Sertão – O Hospital Regional do Alto Sertão, em Delmiro Gouveia, finaliza o cronograma de entregas. A obra deve ser inaugurada no segundo semestre de 2021. A unidade é classificada como de média e alta complexidade, porta de entrada para casos de emergência e referência em clínica, cirurgia geral, maternidade, pediatria e trauma-ortopedia.

Com investimento de R$ 32,8 milhões, o Hospital Regional do Alto Sertão também terá 123 leitos e está com 35 % das obras concluídas. Vai beneficiar uma população de mais de 161 mil pessoas dos municípios próximos.“Com os Hospitais Regionais no interior, as pessoas não precisarão vir sempre à capital, ou seja, eles ajudarão ainda mais o funcionamento do HGE, das UPAS e do Hospital Metropolitano. Cada região vai atender, aproximadamente, 200 mil alagoanos, sem deslocamento para Maceió ou Arapiraca”, acrescentou Renan Filho.

Clínicas da Família – Durante a coletiva, o governador anunciou a construção, em Maceió, de dez Clínicas da Família que vão atuar na atenção básica. Ele informou que a licitação para essas obras já foi concretizada.“Temos dois pilares na Secretaria de Saúde. O primeiro é a ampliação e o fortalecimento da rede estadual hospitalar. Alagoas possui um passivo (déficit) muito grande de leitos e fomos obrigados, durante as últimas décadas, a contratualizar esses leitos na área privada e filantrópica. Estamos corrigindo esse rumo com os novos hospitais. Paralelamente, identificamos que Maceió é a capital do Brasil que tem a menor cobertura da atenção básica: somente 27%. Isso eleva muito a despesa na média e alta complexidade. É por isso que o HGE fica superlotado. A ideia é que com a construção dessas Clínicas da Família a gente dobre a cobertura da atenção básica em Maceió”, explicou Ayres.

Ascom – 20/08/2019