Criança não namora, nem de brincadeira!

Maio é o mês de combate ao abuso sexual infantojuvenil e o momento propício para divulgarmos informações sobre como prevenir a violência sexual contra nossas crianças.

Não é incomum ouvir alguns pais, até com um certo orgulho, relatar que seus filhos estão com um “namoradinho (a)” na escola. Essa atitude aparentemente ingênua, pode trazer alguns prejuízos.

A criança pequena não compreende o que é namoro e tem até uma certa repulsa por beijos na boca. Mas se ela recebe estímulos (elogios e atenção) quando beija os coleguinhas, ela vai beijar mais vezes para ser “recompensada” com risos e atenção.

O perigo é que a criança não vai saber diferenciar quem pode ou não pode beijar na boca. E não vai estranhar se um adulto tentar beijá-la ou acariciá-la.

Devemos orientar nossas crianças que namoro é coisa de adulto. Crianças tem amigos e demonstram afeto com abraços e beijos no rosto. E orientá-las que se alguém tentar ultrapassar esse limite, elas devem contar aos pais.

Lembre-se que a criança aprende pelo exemplo muito mais do que pelo discurso. Então precisamos ter coerência e poupar as crianças de exposição a conteúdos impróprios para sua faixa etária.

14/05/2019